SUBMISSÃO DE TRABALHOS A Comissão Organizadora da nona edição do Seminário da Imigração Italiana em Minas Gerais abre chamada para submissão de trabalhos em forma de artigos, pôsteres ou palestras.

O prazo para submissão de trabalhos em forma de artigos, pôsteres ou palestras a serem apresentados no IX Seminário da Imigração Italiana em MG se encerrou. Foram inscritas 16 propostas! Até o dia 12 de agosto a coordenação acadêmica enviará e-mails para os autores informando os resultados. Os artigos serão publicados na Revista da Imigração em Minas Gerais, que é eletrônica e está disponível no site: www.ponteentreculturas.com.br/revista Já os pôsteres serão apresentados fisicamente no Seminário. Os autores dos trabalhos mais relevantes para a discussão do tema da presente edição do seminário serão convidados para apresentarem palestras.


SUBMISSÃO DE TRABALHOS A Comissão Organizadora da nona edição do Seminário da Imigração Italiana em Minas Gerais abre chamada para submissão de trabalhos em forma de artigos, pôsteres ou palestras.

O prazo para submissão de trabalhos em forma de artigos, pôsteres ou palestras a serem apresentados no IX Seminário da Imigração Italiana em MG se encerrou. Foram inscritas 16 propostas! Até o dia 12 de agosto a coordenação acadêmica enviará e-mails para os autores informando os resultados. Os artigos serão publicados na Revista da Imigração em Minas Gerais, que é eletrônica e está disponível no site: www.ponteentreculturas.com.br/revista Já os pôsteres serão apresentados fisicamente no Seminário. Os autores dos trabalhos mais relevantes para a discussão do tema da presente edição do seminário serão convidados para apresentarem palestras.


Inscrições

As inscrições para a 9° Seminário de Imigração Italiana em Minas Gerais, são gratuitas, e poderão ser feitas a partir do dia 16/08.


Missão do Consulado da Itália no Sul de Minas

Com o objetivo de aproximar o Consulado aos cidadãos italianos que moram em Minas Gerais, são organizadas periodicamente missões a cidades no interior, com um “Funcionário Itinerante”, que recolherá as digitais dos cidadãos e cidadãs italianos/as interessados/as no passaporte.

A próxima missão acontecerá no sul de Minas Gerais em Ouro Fino, nos dias 19 e 20 de setembro 2019, quinta-feira e sexta-feira, entre 8 e 12 horas e entre 14 e 18 horas. O atendimento será realizado no Espaço Somas, em Rua Cyro Pereira da Silva, 137 – Bairro Palomos Ouro Fino. Para se inscrever é necessário enviar um e-mail para o circolo Trentino de Ouro Fino/MG: [email protected], preenchendo, de acordo com a idade do/a requerente, um dos formulários: para maiores ou para menores de idade.

Maiores informações no site do Consulado: https://consbelohorizonte.esteri.it/consolato_belohorizonte/pt/la_comunicazione/dal_consolato/2019/08/missione-passaporti-a-ouro-fino.html


MINICURSO: INSCRIÇÕES JÁ ESTÃO ABERTAS

O minicurso Imigração Italiana, Fim Da Escravidão e Ciclo Do Café é uma iniciativa de difusão cultural e educação patrimonial.
Apesar de inicialmente ter sido idealizado como um curso de capacitação para professores, está aberto a qualquer interessado que deseje se inscrever, o que possibilita não só universalizar a iniciativa atingindo um público mais amplo, como também atender uma demanda local de Andradas, que possui grande parcela da população com forte identidade e ligação com suas origens italianas.
Mais informações aqui:


IMIGRAÇÃO ITALIANA, FIM DA ESCRAVIDÃO E CICLO DO CAFÉ

O minicurso Imigração Italiana, Fim Da Escravidão e Ciclo Do Café é uma iniciativa de difusão cultural e educação patrimonial. Apesar de inicialmente ter sido idealizado como um curso de capacitação para professores, está aberto a qualquer interessado que deseje se inscrever, o que possibilita não só universalizar a iniciativa atingindo um público mais amplo, como também atender uma demanda local de Andradas, que possui grande parcela da população com forte identidade e ligação com suas origens italianas. 

 O objetivo principal é tornar acessível ao público em geral, conhecimentos produzidos academicamente sobre a Imigração Italiana no Brasil e em Minas, os quais muitas vezes ficam restritos a revistas, livros e comunicações, que circulam no meio fechado dos especialistas, em congressos, seminários e simpósio de historiadores. Buscamos reunir e simplificar alguns conteúdos dessa produção cultural e democratizá-los. 


Ministrante: Carlos Eduardo Rovaron. Doutor em História Econômica pelo Departamento de Pós-Graduação em História Econômica da USP. Professor da Escola Profissional Dom Bosco de Poços de Caldas-MG. Autor da pesquisa promovida pelo Circolo Italiano de Andradas, no âmbito do projeto “História da Imigração Italiana em Andradas e autor do livro homônimo a ser lançado em breve.  


Carga horária: 6 horas/aula. Três encontros de 2 horas/aula.

Dias: 27/08, 03/09 e 10/09 (terças-feiras)

Horário: 18h às 20h

Vagas: 60. 

Local: Associação de Engenheiros Arquitetos e Agrônomos de Andradas

Endereço: R. Cel. Eduardo Amaral, 62, Centro 


Inscrições gratuitas por email:  [email protected] gmail.com

ou pessoalmente no endereço: ........................... Andradas. 


PROGRAMA


AULA – 1


CONTEXTUALIZAÇÃO GLOBAL DA IMIGRAÇÃO ITALIANA


Na Itália:

O processo de unificação da Itália e suas guerras: fragilização da economia e insegurança: as fronteiras do Norte da Itália com a Áustria e Suíça: zona afetada por inúmeros conflitos e invasões de outros povos (destaque para o Império Austro-húngaro).
Padrão de ocupação do Norte da Itália: região agrária. Pequenas propriedades cultivadas por mão-de-obra familiar (paralelo com Andradas).

No Brasil:

Diferenças da colonização de exploração e do colonização de povoamento: a imigração como uma colonização de povoamento.
Pressões para o fim da escravidão no Brasil, as teorias raciais e a montagem de uma política de imigração.

Atividade –> buscando as origens: montagem da árvore genealógica familiar. 
Descrição: será feita uma brevê explanação sobre as possibilidades da montagem de organogramas de árvores familiares, o número de avós (4), bisavós (8) e trisavós (16). A fonte de informação principal para construção das árvores será a tradição oral e a memória. Será também trabalhada as possibilidades de enriquecer o trabalho de elaboração da árvores com documentos e fotos. O material utilizado será cartolina, canetas, lápis de cor e tintas escolares. 

 


AULA - 2


IMIGRAÇÃO ITALIANA NO BRASIL E EM MINAS GERAIS E NO SUL DE MINAS:


Discussões no Império sobre as teorias de Edward Gibbon Whakefield: como manter a propriedade da terra longe do alcance do ex-escravo e do imigrante, para forçá-los a vender sua mão-de-obra após o fim da escravidão. 
 Minas, um Estado sem litoral e sem portos: diferenças entre a imigração nas zonas de fronteira de Minas Gerais com: o Espírito Santo, o Rio de Janeiro e São Paulo; o café como um elemento comum e ligado a imigração todas essas zonas de fronteira.

Debates divergentes na Assembleia Provincial de Minas Gerais, sobre qual solução seria adotada para a substituição da mão-de-obra escrava pela livre: 
- Centro e norte de Minas (aproveitamento do ex-escravo).

- Sul de Minas (adoção do modelo de imigração italiana desenvolvido por São Paulo, no Oeste Paulista cafeeiro vizinho).

A importância dos Silva Prado na montagem de uma máquina da imigração e sua ligação com São João da Boa Vista, Poços de Caldas e a Estrada de Ferro Mogiana: estações de São João da Boa Vista, Espírito santo do Pinhal e Poços de Caldas.


AULA – 3


OLHANDO O FIM DA ESCRAVIDÃO, CICLO DO CAFÉ E IMIGRAÇÃO A PARTIR DA HISTÓRIA LOCAL DE ANDRADAS:

A expulsão dos negros ex-escravos de Andradas em 1900.
A impacto que população de imigrantes, que veio para trabalhar nas lavouras de café do Oeste Paulista vizinho, teve em Andradas: o processo de aquisição de terras andradenses por italianos e descendentes e a transformação da estrutura fundiária em uma realidade de pequenas propriedades, com policultura desenvolvida por mão-de-obra familiar.
Apresentação do site do Circolo Italiano di Andradas, dos documentos e entrevistas disponibilizadas para consulta pública e das possibilidades de usá-los como ferramentas pedagógicas e ilustrativas. 


BIBLIOGRAFIA DO CURSO:


CASTILHO, Fábio Francisco de Almeida. Entre a Locomotiva e o Fiel da balança: a transição da mão-de-obra no Sul de Minas (1870 – 1918). Dissertação de Mestrado, Juiz de Fora: 2009.


MARTINS, Roberto Borges. “Se Deus quiser, semana que vem... ou na outra...” – Terra, trabalho e liberdade. Artigo Publicado nos Anais do XI Congresso de História Econômica, Vitória – ES, 2015.


ROVARON, Carlos Eduardo. Ocupação da região da Caldeira Vulcânica de Poços de Caldas - MG (Séc. XVIII-XX), São Paulo, 2009. Dissertação (Mestrado em História Econômica) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.


SAES, Flavio Azevedo Marques de. As ferrovias de São Paulo: 1870-1940, São Paulo Brasília: Hucitec INL, 1981.

__________. A grande empresa de serviços públicos na economia cafeeira 1850-1930. São Paulo: HUCITEC, 1986


SANTOS, Ivison Poleto dos. A Sociedade Promotora de Imigração e o financiamento público do serviço de imigração (1886-1895). São Paulo, 2007. Dissertação (Mestrado em História Econômica) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo


SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil, 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.


SILVA, Ligia Osorio. Terras devolutas e latifúndio: efeitos da lei de 1850. Campinas: UNICAMP, 1996.


UDAETA, Rosa Guadalupe. Nem Brás, nem Flores: hospedaria de Imigrantes da cidade de São Paulo (1875-1886). São Paulo: Universidade de São Paulo, 2013. Dissertação (Mestrado em História Econômica).


ZAMBONI, Maria Célia. A Mogiana e o café: Contribuições para a História da Estrada de Ferro Mogiana. Franca, 1993. Dissertação (Mestrado em História). Departamento de História da Unesp.


BOSI, Ecéa. Memória e Sociedade – Lembranças de Velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 1994